quarta-feira, 13 de outubro de 2010

A regência do verbo IR

Observe as frases: 
      a) "Você quer ir ao cinema comigo?"
      b) "Você quer ir no cinema comigo?"
      A frase A apresenta a regência da gramática tradicional, enquanto a B, a coloquial e popular.
      Marcos Bagno afirma que o uso da preposição a para indicar movimento e em para indicar repouso, situação, localização, não tem consistência histórica. Essa divisão de tarefas das duas preposições não é obedecida desde João de Barros (1497-1570) no livro Crônica do Imperador Clarimundo: "... era vindo nesta terra" até em Os Lusíadas, de Camões: "Os cabelos da barba e os que descem/ da cabeça nos ombros...".
      Observe agora as frases seguintes:
      a) Amanhã vou a São Paulo.
      b) Amanhã vou para São Paulo.
      Na frase A, usa-se a preposição a porque indica menos permanência. O viajante vai e volta. Já na frase b, a preposição indica mais permanência. O viajante vai de mudança para a capital. Assim ensina a gramática tradicional.
      As pesquisas de campo do lingüista Marcos Bagno indicam que os usuários não fazem essa distinção, nem mesmo os falantes cultos.
      Ele afirma ser comum encontrar o emprego de mais de uma preposição numa mesma unidade discursiva, como mostra o exemplo seguinte:
      "Eu fico encantada de ir a uma casa... de flores ou num mercado..."
      "O programa pode começar com um simples cinema... um teatro... vai-se a uma boate ( ) não... faz-se algum tipo de programa qualquer... ou então vai pra um bar..."
      Quem se aprofunda nos estudos lingüísticos percebe claramente que a gramática tradicional está defasada, não acompanha a realidade, por isso o ensino do português nas escolas se torna cada vez mais difícil. 

Escrito por:
      *Hélio Consolaro é cronista da Folha da Região, coordenador deste site, professor de Português do Ensino Médio, autor de três livros e membro da Academia Araçatubense de Letras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens Recentes: